quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pe. MANUEL AUGUSTO : A reconfiguração do Instituto à luz da nossa história

O P. Manuel Augusto Lopes Ferreira, comboniano português, apresentou o tema “A reconfiguração do Instituto à luz da nossa história” durante o Simpósio dos 150 anos da fundação do Instituto dos Missionários Combonianos, que se realizou de 26 de Maio a 1 de Junho, na Casa Generalícia, em Roma.

A reflexão, diz o P. Manuel Augusto, pretende fazer um percurso histórico, “para ver como o nosso percurso desde a fundação até hoje nos pode iluminar na tarefa da configuração que temos de fazer no presente”.

Para ver AQUI.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Dia da Família Comboniana em Portugal

"Foi no passado dia 10 de Junho, dia do Anjo de Portugal, que nos reunimos com vários membros das diversas realidades da Família Comboniana – Missionárias Seculares Combonianas, Irmãs Missionárias Combonianas e Missionários Combonianos – para, com muita alegria, celebrarmos pela primeira vez o «Dia da Família Comboniana». O evento decorreu em Óis da Ribeira (Fermentelos – Águeda) e éramos cerca de 50 missionários e missionárias."

domingo, 11 de junho de 2017

UM DEUS PLURAL E UMA IGREJA MONOLÍTICA? Frei Bento Domingues, O.P.

Um pouco difícil de enteder o alcance.......

1. Quando se pressentem consequências graves de desentendimentos entre pessoas belicosas, diz-se, à moda do Porto: vai cair o Carmo e a Trindade. Sobre a Trindade, muitos católicos já não sabem muito mais. O antigo mundo rural orientava-se pelo “toque das trindades”. O sino da Igreja paroquial tocava três vezes por dia: de manhã, ao meio-dia e ao fim da tarde. Tudo parava, os homens tiravam o boné, e rezava-se o “Anjo do Senhor”, seguido de uma “Avé Maria” e do “Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo”.

Quando se queria mostrar o cuidado da família com o desenvolvimento religioso da criança, pediam-lhe: “mostra que já sabes fazer o sinal da cruz”. Era um rosto marcado pela Trindade Santa.

Na catequese ou na teologia, ignorando os recursos evocativos da linguagem simbólica, repousava-se no mundo dos conceitos evanescentes. À falta de explicações satisfatórias, recorria-se a uma geometria rudimentar, ao triângulo ou ao trevo do campo.

As argutas definições dogmáticas dos séculos II, III e IV não se contentaram com a proclamação de Paulo em Atenas: é em Deus que vivemos, nos movemos e existimos[1].

Sim, Deus, mas que Deus? Foi preciso mostrar que era possível dizer que um só Deus vive misteriosamente em três pessoas distintas, iguais e diferentes: todas activas, inteligentes, amantes, em comunhão perfeita e sem qualquer subordinação! Era a vitória da máxima unidade na floração da máxima diversidade.

Por mais estranha que pareça, esta convicção talvez não seja nem absurda, nem inútil. Não poderá ela esconder a realidade mais profunda e misteriosa do mundo, da família, da sociedade, da política, da religião e da Igreja?

2. Em nome da unidade, sacrifica-se a diversidade e a imprevisível liberdade, resvalando-se para a falsa segurança da ditadura; perante as dificuldades de viver em liberdade, na diversidade, no pluralismo, pergunta-se: será possível conjugar governabilidade e democracia? Não serão os muros a recusa do acolhimento recíproco entre diversas identidades num mundo  que a todos compete respeitar, como casa comum?

A sabedoria aconselha a que não se deite para o caixote do lixo a afirmação trinitária de Deus que hoje é celebrada na Igreja Católica. É um alerta político, cultural e religioso, como sublinhou o filósofo Giorgio Agamben.

S. Paulo deu-lhe uma expressão quase narrativa: A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós[2]. Representa um belo sumário da teologia da unidade plural da Igreja, na comunhão e na diversidade dos seus carismas. Por desgraça, os rituais não conservam apenas as referências centrais de uma religião. Decaem, facilmente, em rotinas que adormecem as consciências em vez de as despertar para o que falta viver e fazer.

É legítimo perguntar: porque continuar a manter a vergonhosa separação entre as Igrejas do Oriente e do Ocidente, invocando minudências linguísticas esquecendo que estamos todos a balbuciar o inabarcável mistério de Deus e do mundo? A verdade viva revela-se no caminho humilde da busca espiritual e não no orgulho de manter embalsamadas fórmulas e costumes em nome de ortodoxias vazias. Porque não deixar Deus ser Deus e o seu Espírito à solta no mundo?

A arrogância de todas as Igrejas, em nome da posse da verdade, acaba por afastá-las da alegria da comunhão na fé e na caridade, impedindo-as da escuta recíproca e da pergunta essencial: não poderei aprender nada com as outras comunidades cristãs, com as outras religiões, com as pessoas que buscam, por tantos caminhos, um sentido para a vida?

3. Estamos em 2017, a cinco séculos de distância do gesto de Martinho Lutero, ao colocar, a 31 de Outubro de 1517, as suas teses sobre o comércio de indulgências, na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg. De facto, o V Centenário da Reforma já foi inaugurado, na Alemanha, em 2008. É a Década de Lutero.

É, também, uma ocasião para os historiadores da cultura, da política e da teologia reexaminarem cinco séculos de história extremamente complexa e, talvez, colherem algumas lições para o nosso presente de renovados fanatismos políticos e religiosos.

Portugal não é a pátria de Lutero e os portugueses também não o puderam acolher no séc. XVI, nem com discernimento nem sem discernimento. Depois foram-no esquecendo.

 Para assinalar os quatrocentos e cinquenta anos da sua morte, o Centro de Estudos de Teologia/Ciência das Religiões, da Universidade Lusófona, marcou essa data com um importante Colóquio, cujos contributos já estão publicados. Tentei, no Prefácio, explicar as razões da ausência de Lutero entre nós[3].

O P. Carreira das Neves introduziu o seu importante Lutero. Palavra e Fé, com a pertinente observação: «O tema que vamos tratar tem sido objecto de milhares de livros, artigos e pronunciamentos religiosos, políticos, sociológicos, filosóficos. Só estranha o facto de nenhum autor português ter assumido, nestes quinhentos anos que nos separam de Lutero, a responsabilidade de escrever sobre esta pessoa que está na origem do protestantismo luterano e das igrejas evangélicas»[4].

O ausente de Portugal encontrou acolhimento, em português, mas no Brasil, onde já foram publicados 12 volumes das Obras Seleccionadas de Martinho Lutero[5].

O luterano Artur Villares pergunta: «Cinco séculos depois, com a poeira da História a assentar, e as polémicas, ódios e extremismos, definitivamente encerrados nas prateleiras da apologética de todos os participantes, o que significa, para o homem de hoje, o nome de Martinho Lutero? Para muitos nada; para outros tantos, um mero revoltado, um rebelde, que destruiu a unidade da Igreja do Ocidente; para outros ainda, uma figura histórica, de assinalável grandeza, um dos construtores do mundo moderno».

O Pe. Carreira das Neves também perguntou: «Lutero está ultrapassado?» E concluiu a sua obra com muita graça: «estamos todos ultrapassados se nos fixarmos nos redutos das nossas identidades religiosas, de ritualismos, jurisdicismos, dogmatismos, farisaísmos»[6].

11.06.2017



[1] Act 17, 22-29
[2] 2Cor 13, 13 e paralelos.
[3] Martinho Lutero. Diálogo e Modernidade, Prefácio de Frei Bento Domingues, Edições Universitárias Lusófonas, 1999.
[4] Lutero. Palavra e Fé, Presença, Lisboa, 2014, p.17, assinala que de obras estrangeiras, em Portugal, apareceu apenas a tradução do livro de Johannes Hessen, Lutero visto pelos Católicos, Coimbra, 1951, Ed. Arménio Amado; Lucien Febvre, Martinho Lutero. Um Destino, Ed. Bertrand, 1976; nova tradução do mesmo autor, da Ed. Texto, 2010. Cf. Walter Kasper, Martinho Lutero. Lido em chave ecuménica 500 anos depois, Paulinas, Lisboa, 2016.
[5] Responsabilidade da Comissão Interluterana de Literatura. São Leopoldo.
[6] Op. Cit., p. 459

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O ESPÍRITO SOPRA ONDE QUER Frei Bento Domingues, O.P.

Muito revolucionário (e muito dúbio) este Frei Bento Domingues....


1. O Vaticano II, que foi o Pentecostes do século XX, tentou renovar, descentrar a Igreja e levar os cristãos a serem agentes da transformação da sociedade, segundo critérios de desenvolvimento, de liberdade, de justiça e de paz, em colaboração com todos os seres humanos preocupados em tornar melhor este nosso mundo. Foi a conclusão de muitos movimentos que o precederam, catalisados pela leitura que João XXIII fez dos sinais dos tempos.

Para as novas gerações isto pode parecer mais antigo do que o Antigo Testamento (AT). Se não tivermos em conta que a sensibilidade eclesial e social muda rapidamente, também não compreenderemos a urgência do Papa Francisco em reinterpretar o Vaticano II no mundo actual, muito diferente dos anos 60 do século passado.

Não podemos esquecer que o movimento cristão começou por se enxertar no mundo judaico, mas também na perspectiva de se enxertar em todos os povos e culturas.

É verdade que, nas suas primeiras manifestações, este movimento pensava que o fim estava para breve. Não valia a pena influenciar os destinos das sociedades humanas. Cada pessoa que esperasse o fim, segundo a situação em que se encontrava, casada ou solteira. Era mais importante salvar-se deste mundo do que salvar este mundo. S. Paulo, na primeira carta aos Tessalonicenses, preocupava-se mais em organizar o fim próximo do que em programar o futuro. Foi sol de pouca dura. Ele próprio, na segunda carta apercebeu-se que se tinha enganado e não tenta elaborar uma nova concepção. Opta por medidas pragmáticas: “ Quando estava entre vós já vos tinha dado a seguinte ordem: quem não quiser trabalhar, também não coma. Ora, ouvi dizer que alguns de entre vós levam a vida à toa, muito atarefados a não fazer nada. A estas pessoas, ordeno e exorto, no Senhor Jesus Cristo, que trabalhem na tranquilidade, para ganhar o pão com o próprio esforço.”[1]

Quando os Actos dos Apóstolos (Act) são escritos, o autor apresenta Jesus Cristo bastante decepcionado: “ Estando reunidos, os discípulos interrogaram-no: Senhor, é agora que ides restaurar a casa de Israel? Resposta: Não vos compete conhecer os tempos e os momentos que o Pai reservou em seu poder. Mas o Espírito Santo descerá sobre vós e dele recebereis força. Sereis, então minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra.[2]

S. Lucas era um artista em compor cenários dinâmicos. Era como se Jesus tivesse dito: Eu acabei, mas a tarefa não. Pelo contrário, alargou o horizonte, mas seria uma energia nova, o Espírito Santo, que levaria os discípulos a realizá-la.

2. No Domingo passado, celebramos uma despedida que o não era. Ocultou-se dos seus olhos numa nuvem. Foi a Festa da Ascensão. Interpretada em termos espaciais, poderia sugerir o que um miúdo me perguntou: foi visitar os extra terrestres?

Outros escritos do NT insistem em que Cristo, longe da nossa vista, continua connosco até ao fim dos tempos em toda a nossa vida, mas como um clandestino.

A habilidade de S. Lucas consiste em não querer discípulos pasmados a olhar para o céu, como se a sua missão não fosse a transformação da Terra. Representa, por isso, a diferença que existe entre a Igreja presa do medo e a Igreja sacudida, abalada pelo Espírito. “ Quando chegou o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído semelhante ao soprar de impetuoso vendaval e encheu toda a casa onde se encontravam. Apareceram umas como línguas de fogo, que se distribuíam e foram posar sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito os impelia.”[3]

Havia uma festa judaica para celebrar o dom da Lei com gente piedosa que vinha de todas as nações. Confusão geral. Como é que cada pessoa ouvia falar aqueles galileus, na sua própria língua? Estão com os copos. Aí, Pedro, em nome do grupo não aguentou. Ainda não é hora para bebedeiras. Está a cumprir-se a profecia de Joel: “Acontecerá, nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne. Os vossos filhos e as vossas filhas hão-de profetizar, os vossos jovens terão visões e os vossos velhos hão-de ter sonhos. Em verdade sobre os meus servos e as minhas servas derramarei o meu Espírito.”[4]

3. Se, como vimos, os primeiros cristãos pensavam que o mundo estava a chegar ao fim, os Actos dizem-nos que está tudo a começar. Esta obra deveria chamar-se o Livro das Aventuras do Espírito Santo. Faz tudo às avessas do previsto no judaísmo. O próprio S. Pedro levou tempo a compreender a liberdade de Deus. Quando teve de justificar, perante os circuncisos, o seu comportamento de acolhimento dos gentios, confessa: “Apenas eu começara a falar o Espírito Santo caiu sobre eles, como sobre nós ao princípio. Lembrei-me, então desta palavra de Senhor: João, dizia ele, baptizou com água, mas vós sereis baptizados com o Espírito Santo. Se Deus lhes concedeu o mesmo dom que a nós, que acreditamos no Senhor Jesus Cristo, quem sou eu para me opor a Deus?”[5]

Os sarilhos vão ser mais que muitos e vai ser preciso reunir um Concílio, o primeiro da Igreja cristã, para reconhecer que o Espírito de Deus não faz acepção de pessoas, nem de povos, nem de culturas. É o Espírito da liberdade, do amor universal.

Não é para aqui a leitura de dois mil anos de história das Igrejas cristãs no mundo. No entanto, algo ficou testemunhado nos textos do NT. O caminho do poder de dominação económica, política e religiosa, foi o ambicionado pelos discípulos e sempre recusado pelo Mestre. Disse-lhes, expressamente: quem quiser ser o primeiro, ponha-se ao serviço de todos; aqui, reinar é servir. Isto significa que a Igreja não anda para traz quando se confronta com este espelho. O que o Espírito de Cristo lembra a todos os cristãos é simples: o nosso passado, o nosso presente e o nosso futuro só é garantido pela contínua criatividade.

Quiseram fazer do Vaticano e das suas Cúrias o lugar do depósito da Fé. Esta não é um depósito, é o caminho do mundo, como Evangelho da Alegria. É sintomático que o Papa Francisco surja, simultaneamente, com um programa de reforma da Cúria e com um programa de Igreja de saída, para todas as periferias. Talvez seja o mesmo.

Perante as novas experiências e expressões do Evangelho, Bergoglio poderá dizer como Pedro: estava eu no meio desses pobres e abandonados e o Espírito Santo caiu sobre eles como um novo Pentecostes. Quem sou eu para dizer que Deus é só para os que têm assento nos lugares de poder da Igreja?



[1] Cf. 2 Ts 3, 10-12
[2] Cf Act 1, 6-8
[3] Act 2, 1-4
[4] Act 4, 16-19
[5] Act 10-11

terça-feira, 30 de maio de 2017

O Papa Francisco saúda os Missionários Combonianos

“Saúdo os Missionários Combonianos que estão a comemorar os 150 anos de fundação”, disse o Papa Francisco, no domingo, 28 de Maio de 2017, dirigindo-se aos peregrinos, que se concentraram na Praça de São Pedro, para o Regina Caeli.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Maio 2017-à guisa de relatório

                                     
No dia 6 de maio de 2017, tal como previsto, de vários pontos do país e do mundo (de Paris, da Austrália…) houve gente a movimentar-se a caminho de Viseu. O ponto de encontro estava há muito marcado: O SEMINÁRIO DAS MISSÕES.

O dia estava solarengo e agradável. Daí que por volta das 10H30 já fosse possível iniciarmos a nossa reunião geral depois dos abraços do reencontro.

Cantou-se o hino da Associação e, terminado este, lembramos os ausentes que, por uma razão ou por outra, não puderam estar presentes, mas fizeram questão de enviar uma mensagem de amizade realçando a sua presença em espírito. Fizeram-se as apresentações por ano de entrada e em grupo. Foi giro rever os que celebravam 50 e 60 anos de entrada para o seminário! A alegria de reviver in loco esses tempos e junto dos colegas desse mesmo tempo! Muita emoção junta!...

Passadas algumas poucas informações e feitos os agradecimentos ao Superior da Casa por nos receber, ao Provincial por partilhar o dia connosco e aos colegas que colaboraram nos contactos – o Isidro de Aveiro, o Coelho de Barcelos e o Sebastião de Santarém – e ao Ir. Valentim que nos tem espicaçado, foi a vez do Ir. José Manuel nos falar das suas vivências em terras de missão. A todos nos surpreendeu, já no fim da sua exposição,  quando nos apresentou fotografias características de África ou das Américas, mas tiradas bem perto do centro de Lisboa – Camarate, a sua nova terra de missão. Os Combonianos são assim: encontram sempre “periferias” onde desenvolver o espírito de Comboni.

O Pe. José Vieira, Superior Provincial, fez-nos de seguida o ponto de situação da congregação em Portugal e das celebrações dos 70 anos da sua presença em Viseu, dos estudos sobre a reorganização do dispositivo em terras lusas e até a nível da Europa.

O Pe. Manuel Augusto fez-nos uma apresentação sumária do seu livro “ Uma História Singular” que concluíra para as comemorações dos 70 anos. Confesso-vos que o li com profunda emoção, pois que em cada capítulo me sentia também um protagonista da história e me interrogava com frequência – onde estava eu nesta altura?..Cada um de nós era capaz de a vários daqueles capítulos acrescentar alguns subcapítulos que tornariam a história ainda mais rica e personalizada. Acho que o autor poderia agora fazer aquilo que ele disse que gostaria de ter feito- um romance, onde essas muitas outras estórias teriam certamente cabimento. Bom, fiquei com a ideia de que o livro vai ser um sucesso comercial (pelo menos entre os antigos alunos) e que esse facto poderá ajudar o Pe. Manuel Augusto a decidir-se pelo desejado romance.

Alguns colegas apresentaram também o seu testemunho. O Fernando Paulo deu-nos conta do seu projecto para Moçambique onde tenciona estar brevemente; o Alberto Pais Teixeira disse-nos da alegria do reencontro depois de dois dias de viagem desde os confins da Austrália; o João Heitor –o nosso “adido” cultural em Paris – cujos filhos o surpreenderam com os bilhetes de avião para o obrigarem a sair da sua área de conforto e meter-se a caminho para fazer o que eles sabiam dar-lhe muita alegria.

A sessão terminou com o Olindo e o Américo a tentarem  pôr todas as vozes de acordo para a celebração da Eucaristia que foi presidida pelo Pe. Joaquim Pereira e concelebrada por todos os presentes (segundo os “novos” conceitos teológicos nos dizer do Pe. José Vieira).

Seguiu-se o almoço de confraternização regado com a “pomada” do Sebastião ( 14º) que alertou para a abundância do fornecimento de modo a não haver inibições.. O refeitório do famigerado “ óleo de fígado de bacalhau” estava  lotado. Já no fim do almoço o Pe. Zé de Sousa ainda tentou umas “Faleiradas”,mas a ausência do acordeão do Américo não permitiu que “ o comboio do vale do Vouga”entrasse nos carris. Depois…foi a descontracção nos “recreios” onde muitas estórias foram recordadas à sombra dos castanheiros que já morreram e testemunhadas pelos monumentais e seculares carvalhos; se falassem…eles próprios contariam romances sem fim…

Fotos tiradas, a jornada foi-se concluindo em amena cavaqueira aqui e ali.

Já perto do regresso ao norte, eu e o José Sá sentámo-nos com o Pe. Francisco Medeiros para fazermos a contabilidade do dia. Com os 1.640,00 euros recolhidos pela dupla José Sá e Lino Pinto, pagamos o almoço, constituímos uma Bolsa de Estudo, reservamos 100,00 € para o pagamento da quota anual (2017) da UASP e com o restante subsidiamos o desgaste e limpeza das instalações.

O nosso profundo agradecimento a toda a comunidade comboniana de Viseu que nos acolheu, ao Pe.António Ino pelas palavras que nos dirigiu antes de se afastar para colocar o seu coração em repouso.

Os nossos votos para que continuemos a manter vivo dentro de nós o espírito comboniano que animou a nossa adolescência e juventude e …para o ano haverá mais, se Deus quiser.



Trofa, 25 de Maio de 2017

 Pela Direcção

António Pinheiro

domingo, 7 de maio de 2017

ENCONTRO GERAL DE 2017

O nosso encontro geral em Viseu ( Maio de 2017) teve a participação de mais de 105 antigos alunos . Eis uma das fotos de grupo tirada pelo Isidro.